A série Sense8 e a importância do trabalho em equipe
7 de dezembro de 2019
A série Unbreakable Kimmy Schmidt ensina como se adaptar a um ambiente novo
22 de dezembro de 2019

Ela desistiu do mundo corporativo e fez sucesso com seu negócio

Ana Fontes é a fundadora do Instituto Rede Mulher Empreendedora, iniciativa que ajuda mulheres a conquistarem os próprios negócios e assim obterem autonomia em suas profissões.

Mas não pense que essa trajetória de sucesso aconteceu da noite para o dia.

Ana era muito pobre, mas deu um jeito de se formar na faculdade e na pós- graduação e de ingressar em importantes empresas de grande porte.

Apesar do seu empenho e dedicação, a empresária nunca conseguiu atingir o patamar que achava justo no ambiente corporativo, o que a fez pensar em outras alternativas.

E assim ela foi… junto com os seus desejos de ter liberdade e qualidade de vida, de ajudar outras pessoas e de deixar o seu legado no mundo.

Quer conhecer essa linda história de superação e de persistência de uma das empreendedoras de maior sucesso do país?

Então leia esse texto sobre a Ana Fontes!

Quem é Ana Fontes?

Ana Lúcia Fontes, ou Ana Fontes, como é mais conhecida, é a fundadora do Instituto Rede Mulher Empreendedora, iniciativa idealizada graças à sua experiência como funcionária em grandes empresas.

A ideia era ajudar outras mulheres a conquistarem os negócios próprios e assim obterem autonomia em suas profissões.

Hoje o programa beneficia mais de 270 mil empreendedoras em todo o país!

Mas o interessante mesmo é a trajetória da Ana até a fundação do Instituto.

Quando criança ela morava em uma cidadezinha do interior de Alagoas chamada Igreja Nova.

A sua família decidiu ir para São Paulo nos anos 70 com os oito filhos com o intuito de tentar uma vida melhor.

Na época Ana tinha apenas 4 anos de idade.

Que legal que os pais dela valorizavam a educação e deram um jeito de investir para que todos os filhos ingressassem na escola pública.

Quando adulta, Ana entrou em uma faculdade particular de Publicidade e Propaganda e contou com a ajuda de vizinhos e dos seus ganhos com venda de bolos para pagar os estudos.

Até que conseguiu um emprego em uma multinacional em 1990.

Depois a empresária fez pós-graduação em Marketing e em Relações Internacionais, porém, mesmo com os seus conhecimentos, empenho e dedicação, tinha dificuldades em crescer nas empresas em que trabalhava.

Inclusive, um dos superiores elogiou o seu currículo, mas disse que não iria promovê-la pelo fato de ser mulher.

Apesar dessa situação bastante injusta, Ana não se deu por satisfeita.

Queria se superar, sentimento que aumentou ainda mais depois que se tornou mãe.

A moça chegou a passar por grandes corporações, até que sentiu vontade de fazer algo diferente, mas que também a levasse a contribuir com a sociedade.

A ideia era ter flexibilidade de tempo e qualidade de vida, desde que se identificasse com a atividade e deixasse o seu legado no mundo.

Ela então abriu algumas pequenas e médias empresas enquanto procurava por essa satisfação quando percebeu os desafios das mulheres ao tentar montar os seus próprios negócios.

Por conta disso, em 2009 Ana participou de um programa de capacitação em gestão de negócios que tinha o intuito de melhorar a qualidade do empreendedorismo feminino: o 10.000 Mulheres, parceria entre FGV e grupo Goldman Sachs.

Finalmente a empresária identificou algo valioso: o nicho pouco explorado da educação empresarial para mulheres.

Era o início do Instituto Rede Mulher Empreendedora, em 2010.

Nele a empresária passou a compartilhar o seu conhecimento e ajudar outras mulheres a transformarem as suas ideias em negócios de fato viáveis.

Trata-se de uma plataforma de compartilhamento de conteúdo gratuito e divulgação de anúncios das empresas das mais de 56 mil empresárias participantes.

Hoje, essa Rede é considerada a maior em empreendedorismo feminino do país e oferece palestras, workshops, rodadas de negócios, eventos de networking e até mentoria.

O negócio é mantido com os ingressos dos eventos e também com o patrocínio de empresas que apoiam o empreendedorismo feminino.

No final das contas o principal propósito da Ana Fontes com o projeto é ajudar as mulheres a serem ativas e a preservarem a autonomia mesmo depois da maternidade, em especial considerando que o ambiente corporativo ainda tem uma certa hostilidade com o público feminino, segundo ela própria.

O que aprender com Ana Fontes?

Todos nós podemos aprender com Ana Fontes.

Veja algumas sacadas:

1 – Vontade e persistência são mais importantes do que “berço de ouro”

Ana Fontes era extremamente pobre, mas mesmo assim deu um jeito de estudar, de ingressar em grandes empresas e de, graças a elas, criar um nicho estratégico de negócio.

Isso nos mostra que você não precisa de uma boa estrutura financeira desde a infância para estudar e conquistar o sucesso.

Nem a Ana e nem um monte de empresários brasileiros vieram de famílias financeiramente estruturadas, mas isso não fez com que não se empenhassem, perseguissem os seus objetivos e atingissem importantes resultados.

2 – Não desista!

Ana Fontes estudou, se empenhou, se empenhou e se empenhou mais nas empresas em que trabalhou, mas não conseguiu chegar no patamar que tanto queria e que, na verdade, achava totalmente justo.

Então, ao invés de esperar que alguém a ajudasse, a empresária usou os seus próprios meios e esforços para conseguir o que queria.

Moral da história: não dependa de ninguém!

Use os seus conhecimentos e experiência para encontrar o caminho do sucesso com o seu próprio esforço.

Os méritos já são seus. Utilize autonomia e força de vontade para mostrá-los ao mercado ou, como Ana Fontes, ao mundo todo!

3 – Aposte em mercados pouco ou nada explorados

Os mercados mais estratégicos são aqueles que têm algo de muito bom a oferecer para as pessoas e que resolvem os seus problemas, mas que ainda ninguém apostou.

Se criar algo realmente inovador de forma assertiva, dificilmente o seu negócio vai dar errado.

Afinal, estará ajudando o público em algo que de fato precisa ser ajudado e suprindo uma série de carências, faltas, vontades, urgências, etc.

Ana Fontes é certamente uma das empresárias brasileiras de maior sucesso.Inspire-se nessa história de superação e persistência!

Presleyson Lima
Presleyson Lima
Ajudo empreendedores e intraempreendedores obterem resultados em seu negócio através da segurança da informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *